Select Menu

Narrativas

Narrativas
» » » » HQ’s: Os invisíveis – Grant Morrison
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


Grant Morrison considera a sua obra Os Invisíveis o ápice de suas criações, uma história em quadrinhos de narrativa complexa contendo diversas referências e que exige do leitor muita atenção aos acontecimentos que ocorrem na trama que envolve mitologia, distorções temporais, literatura clássica, cultura pop e muito mais... uma lista extensa.

Originalmente a HQ Os Invisíveis foi publicados em três sagas distintas, a Primeira Saga contou com 25 edições, a Segunda Saga contou com mais 22 edições e a Terceira Saga encerrou a trama em 12 edições, totalizando 59 edições. A Editora Panini atualmente laçou o terceiro encadernado que contempla a Primeira Saga completa.

Escrever uma resenha de Os Invisíveis é bem chatinho, pois o universo criado por Morrison é intrigante e relatar alguma referencia pode até se tornar uma espécie de “spoiler”. Dessa forma tentarei expor apenas algumas informações sucintas sem apresentar muitos detalhes. 

Os Invisíveis – Volume I – A Revolução

Sinopse: Uma sociedade secreta atua ao longo da História contra misteriosas forças que trabalham para oprimir física e mentalmente a evolução da humanidade. Eles são Os Invisíveis, e contam com nomes como Lorde Byron e Percy Shelley em suas fileiras. Este primeiro volume encadernado apresenta o recrutamento de um membro desconhecido, mas de potencial ímpar.

Resenha: Nesse primeiro encadernado o leitor é apresentado a Dane McGowan um adolescente problemático que expõe suas frustrações em forma de vandalismo e agressões físicas. Além de todos esses problemas de relacionamento social, Dane possui um dom que o atormenta constantemente. Por seus constantes atos de vandalismo e agressões Dane é preso e condenado, a cumprir um período de detenção no “reformatório” à Casa da Harmonia, um lugar que visa transformar jovens transgressores em pessoas corretas a serviço do governo.

Dane é salvo por King Mob, um membro de uma sociedade secreta, que se autodenomina Os Invisíveis, com motivações de alterar o status quo da atual sociedade. Após passar por uma iniciação, Dave se torna o novo membro dos Invisíveis e assume o codinome Jack Frost.

Morrison expõe freneticamente diversas informações ao leitor, que passa a se envolver em um fluxo frenético de leitura e a devorar compulsivamente capa página de obra. Apesar de ser uma HQ verborrágica, o leitor envolve-se com a trama e torna-se um iniciado, em conjunto com Dane, o divertido é reunir as diversas informações apresentas durante o desenvolvimento de sua obra.  

Compra certa? SIM. Os Invisíveis – Volume I – A Revolução é um encadernado que merece ser lido com bastante atenção, principalmente a primeira edição, pois Grant Morrison expõe diversas informações que alguns leitores podem ficar “perdidos” durante a leitura, mas com o desenvolvimento da trama o leitor começa a compreender todos os fatos. 

Informações básicas:
Editora: Panini Comics.
Edição: Encadernado com capa cartão, lombada quadrada, 236 páginas de papel LWC, no formato 17x26 cm, referente às edições The Invisibles Vol. 01 - 08.
Preço: R$ 25,90

Os Invisíveis – Volume II – Abocalipse

Sinopse: Dane McGowan, após a iniciação ao conhecimento do grupo Os Invisíveis e passar a assumir a sua nova identidade, Jack Frost, descobre que toda a sua realidade é uma farsa e existe uma guerra silenciosa contra seres interdimensionais, que está sendo travada há milênios, moldando o mundo como o conhecemos.

Resenha: Nesse segundo encadernado Dane McGowan, ou melhor, Jack Frost, está cada vez mais envolvido na guerra pela realidade. Aos poucos Jack Frost passa a conhecer os fundamentos ideológicos do grupo Os Invisíveis e seus adversários que estão dispostos a utilizar todos os recursos disponíveis para derrotar o grupo.

A Panini reuniu mais oito edições da obra de Grant Morrison, a qualidade gráfica continua idêntica a edição anterior, a trama apresenta muitos altos e baixos, nada que estrague o desenvolvimento da história principal e em determinados momentos o leitor tem a impressão que Morrison não irá concluir o raciocínio da trama. O enredo é complementado com os desenhos do seleto grupo composto por Jill Thompson (Pequenos Perpétuos), Dennis Crammer (Os Invisíveis), Chris Weston (Authority), John Ridgway (Doctor Who), Steve Parkouse (2000 A.D.), Kim DeMulder (Superman) e Paul Johnson (Livros da Magia).

Compra certa? Se você realmente gostou do que leu no [Os Invisíveis – Volume I – A Revolução], a resposta é SIM (eu gostei muito). Em [Os Invisíveis – Volume II – Abocalipse] Grant Morrison em vários momentos surpreende, pois diversos acontecimentos do primeiro encadernado começam a serem explicados, o que deixa o leitor bastante envolvido com os personagens, apesar de apresentar uma leitura verborrágica, com poucos momentos frenéticos, o que pode causar uma leitura arrastada. Nesse segundo volume o leitor em conjunto do protagonista passa a conhecer a motivação de seus aliados e adversários.

Informações básicas:
Editora: Panini Comics;
Edição: Encadernado com capa cartão, lombada quadrada, 212 páginas de papel LWC, no formato 17x26 cm, referente às edições The Invisibles Vol. 09 – 16;
Preço: R$ 25,90.

Os Invisíveis – Volume III – Entropy in the UK

Sinopse: Os membros do grupo Os Invisíveis estão separados e enfraquecidos, o que fortaleceu o ataque de seus adversários, apenas Jack Frost tem a habilidade necessária para reverter essa situação, mas deve optar em se abster e deixar que a realidade permaneça estática ou se rebelar e buscar o caos em conjunto com Os Invisíveis. 

Resenha: Os Invisíveis recebem um forte golpe, dois de seus membros foram capturados e Jack Frost está desaparecido, tal fato pode culminar com o fim do grupo. Jack Frost tem que superar todos os seus traumas e decidir romper os seus limites se deseja salvar a todos. Morrison utiliza-se de metalinguagem ao desenvolver uma trama com elementos de super-heróis em um grupo que não é considerado de super-heróis. 

Antes de iniciar a leitura desse encadernado é recomendado que o leitor releia as edições anteriores, pois Morrison consegue amarrar diversas pontas que estavam soltas, a história encerra-se de uma forma espetacular, por diversas vezes fiquei relendo algumas páginas tentando entender o modo de elaboração da trama, pois tudo tem uma explicação... é incrível.

Grant Morrison consegue mexer bem com o leitor nesse encadernado, em determinados momentos você tem a impressão que leitor [você], é o culpado por tudo que está acontecendo. As ilustrações de Phil Jimenez, John Stokes, Tommy Lee Edwards, Paul Johnson, Steve Yeowell, Dick Giordano, Mark Buckingham e Mark Pennington compõem o encadernado.

Compra certa? SIM, SIM, SIM... tendo por base que você gostou dos encadernados anteriores. A Panini completou a Primeira Saga de Os Invisiveis, ao publicar 25 edições em três encadernados, contendo material inédito no Brasil, pois a PIXEL também tinha iniciada a publicação do mesmo material, mas não concluiu.  

Informações básicas:
Editora: Panini Comics.
Edição: Encadernado com capa cartão, lombada quadrada, 236 páginas de papel LWC, no formato 17x26 cm, referente às edições The Invisibles Vol. 17 - 25.
Preço: R$ 25,90

Pois bem... Grant Morrison utilizou-se de temas fortes, para elaborar o roteiro de Os Invisíveis, apesar dessa HQ ter sido publicada originalmente em 1994, muitos dos seus temas continuam em evidência.

Alguns leitores podem crer que a trama principal de Os Invisíveis tem muitas semelhanças com o filme Matrix, lançado em 1999, dos irmãos Wachowski, Grant Morrison nunca entrou em muitos detalhes sobre o “plágio/homenagem” que os irmãos Wachowski realizaram sobre a sua obra.  

Os Invisíveis é uma leitura obrigatória, pois Grant Morrison faz com que o leitor passe um bom tempo digerindo as informações de sua obra, a cada nova releitura uma nova descoberta... realmente é uma obra que merece ser debatida por um bom tempo.

Autor Jan Piertezoon

A Mente maléfica por trás da criação do Blog Filhos da Gehenna, (ir)responsável pela narração da atual crônica do blog apresentado no podcast. Aficcionado por jogos de interpretação, onde o sistema preferido para as minhas crônicas é o Storyteller e Storytelling. Um colecionador de livros de RPG e um grande consumidor de podcast. RPG Mainstream ou Indie não importa, jogo todos!!!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Comentarios