Select Menu

Narrativas

Narrativas
» » » [RPG] Resenha: Medievo - Fantasia Medieval
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


Na semana passada jogamos a aventura O Caso de Clermont que vem no Fast Play do RPG Medievo, do autor Raphael Lima, disponibilizado no site da Editora Mundos Colidem, uma aventura inicial de curta duração, mas que possibilita aos jogadores explorarem bem o sistema e terem vários momentos de interpretação, foram duas sessões e ao final ficou um sentimento de “quero mais”.

Deve-se ficar bem claro que a proposta do RPG Medievo é explorar o período da Baixa Idade Média em um contexto histórico com uma presença quase imperceptível de fantasia clássica, sem a diversidade das “raças comuns” em cenários de fantasia medieval (elfos, anões, gnomos...) e sem a presença de magias arcanas e divinas.

O "cenário" da Baixa Idade Média é riquíssimo e possibilita ao narrador explorar diversos momentos, pois o segundo período da Idade Média, compreendido entre os séculos XI e XV, no qual, destaco algumas características: A Crise do Feudalismo, As Cruzadas, Renascimento Comercial Renascimento Urbano e a Peste Negra.

Criação de Personagem

Na criação de personagem o jogador deve elaborar o histórico, definindo a sua identidade que reúne as características; Nome, Profissão, Sexo, Idade e Mentalidade. As Profissões equivalem às classes dos personagens em outros RPG, são elas: Artesão, Cavaleiro, Clérigo, Gatuno, Navegante e Saltimbanco; cada uma apresenta um conjunto de Aspectos que adicionam dados/d6 as suas jogadas e orientam o jogador na interpretação do personagem. A Mentalidade define a personalidade e religião do personagem, algo do tipo; cristão católico fervoroso, cristão leal, cristão desonrado. 

Em seguida o jogador escolhe doze Aspectos, no qual, cinco Aspectos devem estar relacionados à Profissão e sete Aspectos de contexto geral, dentre os quais, dois devem ser desfavoráveis ao personagem, uma espécie de Aspecto negativo.

Os Aspectos definem o nível de Ataque e Defesa, inicialmente cada personagem tem um ponto/dado em cada característica, mas determinados Aspectos adicionam mais pontos/dados. A Vontade do personagem que representa à Resistência do personagem em situações de estresse, utiliza a mesma mecânica de Ataque e Defesa.

Honra e Desonra, todos os personagens começam com 3 Pontos de Honra, que podem ser utilizados para adicionar um dado a qualquer jogada, mas a medida que cometem atos que vão contra a sua natureza e a ordem da sociedade medieval, o personagem adquire Pontos de Desonra, e quando o valor de Desonra superar o valor de Honra, o personagem recebe um redutor de -1 dado em todas as jogadas sociais para cada ponto de diferença.

Todos os personagens possuem 10 Pontos de Vida e três níveis de ferimento: Sadio (sem modificador), Machucado (-1 dado) e Grave (-2 dados).

Encerra-se a criação de personagem anotando o valor do nível de Armadura, o Movimento (9 metros para todos os personagens), descrevendo as Posses e os Equipamentos.

Resolução de Conflitos

A resolução de conflitos de Medievo RPG é bastante competente, os testes são realizados da seguinte forma: o jogador lança uma quantidade de dados d6, aplicam-se os bônus e penalidades na quantidade de dados, os números pares em cada dado são considerados sucessos e os números impares são considerados fracassos, os valores do teste devem igualar ou superar a dificuldade estabelecida pelo narrador, já em testes resistido vence a disputa quem obtiver o maior número de sucesso, a elegância desse sistema deixa a narrativa bem fluída.

Durante a resolução do combate, utiliza-se a mesma mecânica básica, além disso, em diversas ações os personagens estão sujeitos a sofrerem as penalidades devido à fadiga, essas Condições de fadiga resultam em reduções dos dados dos personagens. Nas rolagens em que dois dados apresentem os resultados repetidos de 1 ou 6 geram, respectivamente, Erro e Acerto Crítico. No caso de um Acerto Critico o jogador pode gastar um ponto de Honra e descrever a ação, algo do tipo, aos Ponto de Destino do FATE e os Pontos de Controle Narrativo do GeneSys.

A Evolução do Personagem

Em Medievo a regra de evolução dos personagens, segue o padrão de pontuação absoluta e unitária, igual a adota nos sistemas Storyteller/Storytelling, a sugestão é de distribuir, para cada jogador, 1 ponto por frequência e interação; 1 ponto por interpretação e coerência e 1 ponto adicional ao fim de capítulos e jornadas, no qual, podem ser utilizados para a melhoria das Características passiveis de evolução: Aspectos, Ataque, Defesa e Vontade.

Considerações finais... afirmo que Medievo tem um cenário riquíssimo a ser explorado e um sistema de resolução de conflitos competente, no aguardo do livro básico previsto para o segundo semestre de 2016.


Autor Jan Piertezoon

A Mente maléfica por trás da criação do Blog Filhos da Gehenna, (ir)responsável pela narração da atual crônica do blog apresentado no podcast. Aficcionado por jogos de interpretação, onde o sistema preferido para as minhas crônicas é o Storyteller e Storytelling. Um colecionador de livros de RPG e um grande consumidor de podcast. RPG Mainstream ou Indie não importa, jogo todos!!!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

2 Deixe seu relato!!!