Mago: A Cruzada dos Feiticeiros - Relatos da Campanha



Capítulo I – As Chamas da Inquisição
Narrador - Jan Piertezoon
Relatos da minha atual campanha de Mago: A Cruzada dos Feiticeiros, para maiores informações baixem o arquivo em .pdf que detalha o Cray e as fichas dos personagens.

Registro da sessão
·         Mago: A Cruzada dos Feiticeiros.
·         Narrador: Jan Piertezoon.
·         Sessão: Capítulo I – As Chamas da Inquisição.
·         Data: 09 de Março de 2019.
·         Local: OFFLINE - Jogos Analógicos (Fortaleza – CE).
·         Jogadores: Paulo Arthur (Daria), Larissa Ellen (Diana), João Paulo (Jonathan) e Vitor Hudson (Fekir).
·         Experiência: todos receberam cinco pontos de experiência.

Informação aos jogadores
A Inquisição Sombria está em Londres caçando o Tremere Grimgroth, visto pela última vez em 1202, durante a Guerra Massasa[i]. A Ordem de Hermes com o intuito de recuperar o conhecimento roubado pela antiga Casa Tremere, envia Fekir para participar da cabala mista A Torre Primordial, trocando conhecimento por favores. A cabala mista A Torre Primordial foi idealizada pela atual Primus Verbena.

Relato da Sessão
Cena 01 – Presença Ardente
Ao amanhecer a neblina encobre o Lago Serpentine, criando um véu que esconde a capela A Dama do Lago, uma torre protuberante, erguida há séculos no centro do lago de águas turvas.

Nas margens do Lago Serpentine, diante da torre – Diana, Fekir, Jonathan e Daria se preparam para atravessar o baixio, quanto percebem uma perturbação na trama, uma quantidade absurda de quintessência escoa da penumbra[ii] para o mundo material. Fekir consegue localizar a origem, um rasgo na película[iii] que permite o constante fluxo de quintessência. Antes que Daria possa esboçar qualquer reação uma segunda onda de quintessência percorrer pela terra e raízes afloram do solo como lanças rústicas, rasgando suas vestes e lhe causando ferimentos leves. Diana ora para a Deusa em busca de conhecimento, e é agraciada com o vislumbre do passado, a visão de uma enorme garra causando o rasgo na película, oriundo de um poderoso espírito... um incarna[iv].

 
Decidida a explorar a presença de um incarna na penumbra, Diana utilizando o talho na película, expande o suficiente para adentrar na Umbra acompanhada de seus aliados. A região que adentram ainda está em chamas, à presença do incarna alterou drasticamente o local, queimando e consumindo os gafflings[v]. Daria e Fekir recorrem aos seus poderes para diminuir a intensidade das chamas e salvar alguns gafflings. Fekir consegue aplacar as chamas e um turbilhão de espíritos forma-se ao seu redor em agradecimento. Diana indaga a um Jaggling[vi] o ocorrido, enquanto Jonathan e Daria continuam os cuidados aos espíritos.
Os espíritos relatam que a vontade de um incarna se manifestou na penumbra, um dragão de fogo perseguindo um homem de tez pálida. Enquanto o grupo comenta a informação um emissário da torre, o Corvo, sobrevoa a região convocando os magos para uma reunião na capela. Durante a travessia Fekir encontra uma lâmina de origem material e a expõe para Daria, com o intuito de localizar algum rastro do homem pálido. Enquanto Diana fecha a brecha na película, Jonathan altera a trama do destino, mas a sua atitude é desastrosa e não encontrada nada, resultando em um reforço na trama que o impede até de se mover.

Cena 02 – Caminho Fantasmagórico.

Antes de adentrar a torre, Daria profere um encanto e a lâmina encontrada na penumbra ressoa e reverbera, revelando um fio de prata, que a conecta com o seu antigo detentor, Fekir acredita que seguindo o fio de prata encontrará o homem pálido. O místico fio estende-se em direção a Londres.
No saguão de reunião da capela, Jonathan reencontra a sua irmã Lorena, aflita e preocupada com o jovem Loui, que foi acusado de heresia pelo inquisidor e será queimado na fogueira. Sandra, prima de Fekir, afirmar que Loui é inocente. Diana e Jonathan se prontificam em resgatar o jovem. Percebendo a gravidade da situação, Fekir e Daria desistem de seguir o fio e decidem ajudar Loui, assim todos seguem viagem para Londres. Durante o deslocamento, nas margens da estrada que serpenteia o Rio Fleet, todos presenciam um fantasma clamando por socorro, mas estão mais preocupados em ajudar Loui.

Cena 03 – Chamas Infernais.

Na entrada de Londres, a multidão cerca um palanque de madeira, do alto da estrutura o inquisidor profere palavras que incitam a plebe e ao seu lado há quatro corpos empalados e outros três amarrados, pessoas clamando por clemência, todos acusados de heresia e blasfêmia. Loui está amarrado em cima do palanque. Jonathan querendo dispersa a multidão grita - "Cerveja para todos na taverna!" e os envolve em um efeito de sugestão, muitos correm em direção à taverna, alguns tentam gritar – “Hereges!”, mas são silenciados pelos efeitos mágicos de Fekir.
Daria observar atentamente o inquisidor e perceber que uma aura infernal o circunda. Aproveitando o momento de distração proveniente da plebe, a assassina aproxima-se sorrateiramente e tenta desferir um golpe, mas falha e fica suscetível ao ataque do inquisidor, Diana em um momento de desespero evoca a benção da Deusa para evitar que Daria receba o golpe flamejante do inquisidor, mas também falha. No último instante, Fumaça salta e crava uma poderosa mordida no pescoço do inquisidor, as chamas infernais que emanavam do clérigo corrompido, dão vida aos corpos empalados que se erguem, mas Fekir contém as criaturas que caem ao chão novamente sem vida. Jonathan envia sugestões às poucos que observavam, evitando que relatem os acontecimentos. Loui é resgatado e todos decidem sair do local antes que as autoridades cheguem.
Fim do Capítulo I


[i] Conflito entre os magos da Ordem de Hermes e os magos que se tornaram vampiros do Clã Tremere, outrora Casa Tremere. A Primeira Guerra de Massasa começou em 1202, quando a infestação vampírica da Casa Tremere foi exposta à Ordem. A guerra nunca terminou formalmente, mas dentro de décadas, cada grupo separou-se o suficiente do outro para que os dois se concentrassem em assuntos mais pessoais, notadamente a Guerra da Ascensão e a Revolta Anarquista.
[ii] A Penumbra é a sobreposição do mundo material, onde vivemos, refletido na Umbra.
[iii] Barreira mística que separa a Umbra do Mundo Físico.
[iv] Espíritos de grande porte na Umbra, abaixo apenas dos Celestinos, muitos desses podem ser Totens.
[v] Espíritos de pequeno porte na Umbra. Servos de Jagglings ou de Incarna, raramente eles são cientes de sua própria natureza, ou seja, não têm inteligência. Mas, ao adquirirem tal conhecimento, podem se tornar Jagglings.
[vi] Espíritos de poder moderado na Umbra, inteligentes e servem aos Incarna ou diretamente aos Celestinos. Os Jagglings têm sempre Gafflings sob o seu comando. Quando um Incarna morre ou se corrompe, o Jaggling pode ser "promovido" à posição de Incarna por um Celestino.

Comentários