Select Menu

Narrativas

Narrativas
» » » » » » Resenha: RPG Cidade Obscura
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


Durante o mês de Janeiro quando estava procurando na web um RPG para adaptar um arco de história de Hellblazer que estava querendo narrar, encontrei o pdf de Cidade Obscura, do autor João Mariano. De imediato fiquei impressionado com a belíssima diagramação e durante a leitura constatei o casamento perfeito da mecânica com a temática. Pronto... Cidade Obscura era o RPG ideal para as minhas narrativas de horror pessoal.

Após lerem Cidade Obscura, os interessados em obter mais informações a respeito de outros projetos de João Mariano, acompanhem o perfil do autor no site Patreon, pois diversos produtos voltados aos jogos de interpretação estão sendo desenvolvidos.

Fã confesso dos jogos de RPG da linha do World of Darkness tem a particularidade de gostar experimentar novos estilos de se jogar RPG e estar sempre à procura por inovação e uma melhor divulgação do hobby.João Mariano, descrição no Patreon

Cidade Obscura - Resenha

A Temática
Durante a leitura de Cidade Obscura é notável o trabalho que João Mariano desenvolveu para deixar a criação de personagem bem maleável, com o objetivo de facilitar a criação e desenvolvimento da narrativa, dessa forma, é fácil para o Narrador utilizar Cidade Obscura em qualquer cenário com a temática de horror pessoal.

Criação de Personagem
Inicialmente durante a criação de personagens o jogador irá distribuir pontos entre os seis Atributos Básicos: Força, Destreza, Vigor, Inteligência, Perseverança e Carisma, onde os valores dos atributos variam entre -1 a +3.

Em seguida o personagem acrescenta a origem mística de seu personagem ao lhe atribuir um nome místico, a Ascendência, e escolhe o Arquétipo de Personagem: Forte, Ágil, Enérgica, Sábia, Resoluta, Fascinante, que fornecerá ao personagem o bônus de +1 a um dos Atributos Básicos. Devo salientar que não há nenhuma listagem pré-definida sobre a origem mística do personagem, João Mariano apenas apresenta algumas idéias, esse fato é importantíssimo ao Narrador e ao Jogador que poderão moldar a origem mística do personagem de acordo com narrativa.

Definido os Atributos Básicos e a Ascendência do personagem, vamos acrescentar as Perícias: Atletismo, Subterfúgio, Liderança, Erudição, Ocultismo, Furtividade, Sobrevivência, Interpretação, Persuasão e Empatia, mas para definir quais perícias o personagem terá acesso, é necessário definir a Facção e a Natureza do mesmo.

Com o conceito básico do personagem estabelecido, incorporamos as relações sociais através das Facções, ao qual o personagem irá pertencer. Utilizando o mesmo conceito similar no apresentado na escolha da Ascendência do personagem, o jogador define um Arquétipo da Facção e recebe acesso a uma Perícia, as opções são: Belicosos (Atletismo), Secretivos (Subterfúgio), Soberanos (Liderança), Intelectuais (Erudição), Esotéricos (Ocultismo). Se o jogador optar por se tornar um Pária, em vez de uma perícia ele irá receber a capacidade de resolver um conflito durante a narrativa. O nome da Facção a qual o personagem pertence poderá ser decidido pelo jogador ou em uma decisão em conjunto com o Narrador.

Finalizando a criação de personagem o jogador escolhe a Natureza de seu personagem, ou seja, escolhe o ser sobrenatural do seu personagem. Ao definir a sua Natureza o jogador tem acesso a mais uma perícia e pode escolher dois poderes únicos que a criatura sobrenatural tem. As opções são: Vampiro (Furtividade), Lobisomem (Sobrevivência), Mago (Interpretação), Fantasma (Empatia), Fada (Persuasão). 

A lista de poderes de cada Natureza é bem variada e extensa para ser redigida e explicada nesse post, mas os poderes conseguem emular perfeitamente as habilidades das criaturas sobrenaturais do senso comum, ou seja, o típico vampiro sedutor e manipulador, o lobisomem bestial, o mago manipulador da realidade, o fantasma que pode possuir um mortal e a fada senhora da ilusão. Mas se o jogador não optar por nenhuma dessas opções o livro tem orientações para a criação de outras Naturezas.     

O jogador define a vitalidade de seu personagem ao lançar um numero de d6´s igual ao valor do Atributo Básico VIGOR+1, se o modificador do atributo for positivo somam-se os valores mais altos, se for negativo somam-se os valores mais baixos do resultado dos d6’s, equivalente ao nível de Poder do Personagem.

Resolução de Conflitos
Cidade Obscura trata-se de um hack de Apocalypse World, como tal, utiliza a resolução de conflito é similar, ou seja, o jogador deverá lançar 2d6 e somar o resultado aos seus valores de Atributos Básicos apropriada ao teste e comparar o resultado com a seguinte tabela:

Total de 6 ou menos é considerado um fracasso e as coisas não correm bem, o Narrador descreve as conseqüências;
Total de 7 a 9 resulta em uma Complicação, o teste foi realizado com sucesso perante um custo.
Total de 10 ou 11 é considerado um sucesso, a ação foi realizada sem grandes Complicações.
Total de 12 ou mais é considerado um Triunfo, a ação é realizada com perfeição, e garantindo uma bonificação para as próximas ações.

Deve-se salientar que se o personagem possuir uma Perícia que se encaixe na ação a ser realizada, essa ação não será considera fracasso mesmo com um valor igual ou inferior a 6, considera-se que a ação foi realizada há um custo considerável.

Conclusão
Há mais detalhes a serem apresentados nessa resenha, mas não quero estender e torná-la um grande resumo, Cidade Obscura é um livro de RPG agradável de ler, detentor de uma diagramação belíssima, um vocabulário interessante, que combina perfeitamente com a temática de horror pessoal... Realmente João Mariano nos apresentou um material primoroso.


Autor Jan Piertezoon

A Mente maléfica por trás da criação do Blog Filhos da Gehenna, (ir)responsável pela narração da atual crônica do blog apresentado no podcast. Aficcionado por jogos de interpretação, onde o sistema preferido para as minhas crônicas é o Storyteller e Storytelling. Um colecionador de livros de RPG e um grande consumidor de podcast. RPG Mainstream ou Indie não importa, jogo todos!!!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

3 Deixe seu relato!!!

  1. Obrigado pela atenção e elogios, Jan. Valeu!

    Ah, e venham daí os relatos de como foi jogá-lo com a ambientação do Hellblazer. Estou curiosíssimo. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo João Mariano, depois público um relato da narrativa e da adaptação de Hellblazer para Cidade Obscura

      Excluir
    2. Excelente, então. Fico no aguardo. :)

      Excluir